sexta-feira, 28 de novembro de 2014

PÉROLA


"O espetáculo Pérola é o resultado de um ano de pesquisa que teve como base depoimentos de 26 mulheres que foram torturadas dentro e fora dos porões do DOI - CODI / DOPS”.
Os anos de chumbo, o regime militar, a ditadura no Brasil. Será que tudo isso acabou? E a mulher que foi torturada nessa época, há alguma diferença entre a mulher que é torturada hoje? O que te tortura MULHER? Esse trabalho tem como tema principal as mulheres que foram torturadas na ditadura militar no Brasil, que aconteceu entre os anos de 1964 a 1985. O objetivo desse trabalho é tentar através do teatro não somente recontar um período “sujo” da história do Brasil, mas mostrar especificamente essas mulheres que sofreram e que lutaram por um país melhor para os seus filhos. O que te torturou e o que te tortura mulher?

DIREÇÃO:
Hyago Pinheiro

ELENCO:
Claudiene Lima,
Lúcia Freire
Pedro Fasanaro
Stéfano Alves Alves
Thuyza Fagundes

MÚSICO:
Nicholas Marcelino

PRODUÇÃO:
Fernando Faria

SERVIÇO
ESPETÁCULO PÉROLA
ONDE: IFRN da cidade alta
Avenida Rio Branco, 743, 59025-002 - Natal (Rio Grande do Norte)
QUANDO: 29 e 30 de novembro
HORA: 19H
VALOR : R$ 15,00 .

AS SENHAS só serão vendidas ANTECIPADAMENTE e com um número LIMITADO de pessoas por DIA. Para contato ligue: (084) 96246557.

COMPRE LOGO O SEU INGRESSO!

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Quinta edição da Revista Grande ponto começa a ser distribuída nesta quinta, 14

            A quinta edição da Revista Grande Ponto, que vem contando um pouco da História de Natal, começará a ser distribuída nesta quinta-feira, 14, às 19h, no Clube de Radioamadores e Engenharia, que fica na Avenida Rodrigues Alves, ao lado da “Cidade da Criança”, no Tirol, em Natal.

Neste número o leitor poderá desfrutar de uma entrevista ao mestre Ariano Suassuna, por Racine Santos, em 2005. Há pouco tempo o autor da frase “Arte pra mim não é produto de mercado. Podem me chamar de romântico. Arte pra mim é missão, vocação e festa”, mudou-se para o andar maior.

            Vai conhecer também vai conhecer um pouco da História do Capitão José da Penha, um valoroso militar do começo do século passado que combatia tenazmente as oligarquias, marca registrada dos governos nordestinos.

            A esposa de Felipe Camarão, Clara Camarão, também está presente neste número. Ao lado do marido notabilizou-se na luta pela expulsão dos invasores holandeses. Tanto ela, como Felipe, nasceram na velha aldeia de Igapó. Depois da morte de Felipe, levou uma vida simples na aldeia até morrer.

            Você sabia que Natal já teve pena de morte?

Teve sim, e durante aquele tempo cinco pessoas foram sentenciadas. Quatro foram executadas e uma fugiu para nunca ser encontrada. Veja os detalhes em texto primoroso. (LS).


Foto: João Maria Alves

sexta-feira, 30 de maio de 2014

Leonardo Sodré lança mais um livro, "Eu Juro!”

O jornalista Leonardo Sodré lança no próximo dia 05 de junho mais um livro. Desta vez, “Eu Juro!”, praticamente a continuação do seu primeiro livro solo, “Crônicas do Beco da Lama”, lançado em novembro de 2007, em Natal. O lançamento será no Clube dos Radioamadores (Engenharia), que fica na Rua Rodrigues Alves, Tirol, vizinho a Cidade da Criança, às 19h.

“É possível ler o livro de uma sentada. Possui 116 páginas e 45 crônicas do cotidiano boêmio de Natal, cidade conhecida por ter um poeta em cada esquina”, informou o escritor. “Meus livro surgem por acaso. O primeiro foi quase uma intimação do dono da Offiset Gráfica e meu amigo, Ivan Júnior, que reuniu algumas crônicas enviadas quase que diariamente para a lista de discussão na Internet do Beco da Lama - espaço virtual dedicado ao epicentro da boemia natalense, localizado no Centro Histórico de Natal”, sorriu Leo, como é mais conhecido. 

“Em 2007, Ivan Júnior me chamou para um encontro no Restaurante 294. Lá, entre um gole e outro, ele sacou a boneca do livro “Crônicas do Beco Lama” e me apresentou. Fiquei emocionado e o projeto foi um sucesso porque até o violonista Yamandú Costa, que acabara de fazer um show pelo projeto Pixinguinha, apareceu no Bardallos para dar uma canja ao lado de artistas da cidade como Camilo Lemos, Hilton, Sérgio Groove e Gilberto Cabral. E como tudo no Beco se mede pela birita, dá para dizer que o sucesso foi tanto... que acabou a cerveja do bar!”, lembrou Leonardo Sodré. “Quem salvou o bar e a festa foi o escritor Lívio Oliveira, que pegou o carro trouxe cheio de cervejas, que duraram até às cinco horas da madrugada”, completou sorrindo. Esse lançamento rendeu uma crônica muito bonita escrita por Hayssa Pacheco, que na época era editor de Cultura do extinto “Diário de Natal”.

Mário Barbosa

“Desta vez a História foi diferente. Reinaldo Azevedo (leia-se Banda Anos 60) me telefonou pedindo algumas crônicas para um livro que estava fazendo em homenagem a Mário Barbosa, do Bar do Mário, infelizmente falecido em setembro de 2013. Reuni as crônicas e mandei para Reinaldo, que por sinal assina uma das orelhas do livro, com uma cópia para o meu editor, Ivan júnior. Pronto! Nasceu “Eu Juro!”, que tem apenas a pretensão de registrar a boemia de Natal, cheia de histórias e Histórias engraçadas”, revelou Leonardo Sodré.

Um jornal em 2007 publicou: Paraibano de Campina Grande, não tem quem diga que Léo Sodré não é natalense. Nem ele mesmo. Tudo, veja só o paradoxo, por conta da água. “O problema é que minha mãe achava que criança só bebia leite materno. E passei os primeiros 30 dias de vida sem beber água. Só tomei quando cheguei aqui em Natal, um mês depois de nascido. Considero-me natalense”, disse rindo do destino.          

Na apresentação, orelhas e prefácio de “Eu Juro!” quatro amigos do jornalista e escritor: o professor Eduardo Henrique Cunha de Farias, a médica e poeta Simone Sodré, o músico e artista plástico Reinaldo Azevedo e a cronista e blogueira Mércia Carvalho. 

Serviço:
Lançamento: Clube dos Radioamadores (Engenharia)
Rua Rodrigues Alves, Tirol, vizinho a Cidade da Criança, em Natal
19h
Dia 05 de junho
Preço: 30 reais

quarta-feira, 21 de maio de 2014

LÉO AOS 6.0

Leonardo Sodré

Por
Mércia Carvalho


Léo agora é SEXY!

Foram precisos 21.900 dias de rodagem, numa viagem rápida do tempo, para que ele estreasse uma idade nova. Idade que não tem nome, porque ele tem todas as idades ao mesmo tempo, como se o tempo não existisse. 

Na juventude teve seus filhos.

Com a maturidade aprendeu o silêncio com os faladores, a tolerância com os intolerantes e a bondade com os maldosos.

Em algum momento na virada do tempo veio à serenidade, a tranquilidade e a calma. Plantou sua árvore e escreveu seus livros. 

Para a vida não lhe faltam projetos.

Independente de tudo, leva a vida com humor e alegria.

De repente se tornou SEXY... E, dentro dele, existe uma pessoa jovem tentando entender como e o que é ser SEXALESCENTE.




terça-feira, 29 de abril de 2014

VAIDADE

Florbela Espanca*

Sonho que sou a Poetisa eleita,
Aquela que diz tudo e tudo sabe,
Que tem a inspiração pura e perfeita,
Que reúne num verso a imensidade!

Sonho que um verso meu tem claridade
Para encher todo o mundo! E que deleita
Mesmo aqueles que morrem de saudade!
Mesmo os de alma profunda e insatisfeita!

Sonho que sou Alguém cá neste mundo…
Aquela de saber vasto e profundo,
Aos pés de quem a terra anda curvada!

E quando mais no céu eu vou sonhando,
E quando mais no alto ando voando,
Acordo do meu sonho… E não sou nada!…



*Livro de Mágoas, in Poesia Completa

sexta-feira, 14 de março de 2014

COMUNICADO IMPORTANTE

Comemoração do Dia da Poesia é transferida para o Teatro de Cultura Popular devido às chuvas
A terceira edição da Revista Grande Ponto será lançada às 18h30, durante as comemorações do Dia Nacional da Poesia, no mesmo local, ao lado da Fundação José Augusto. A publicação que vem contanto um pouco da História de Natal enfoca vários assuntos importantes da cidade.

A programação preparada especialmente pelo Governo do Estado, através da Secretaria Extraordinária de Cultura e Fundação José Augusto, para o Dia Nacional da Poesia, vai acontecer durante o dia e a noite de hoje, 14 de março, no Teatro de Cultura Popular, anexo à Fundação José Augusto, à rua. Jundiaí, Tirol.

Recitais poéticos, debate sobre poesia marginal, com Leila Míccolis e Clara de Góes, lançamento da coletânea 15 Poetas do RN, shows musicais com Artur Soares e Os Chicos serão realizados no Teatro de Cultura Popular, situado à rua Jundiaí, Tirol, ao lado da Fundação José Augusto. Todas as atividades são abertas ao público.

Um dos pontos altos da programação do dia de hoje, no Teatro de Cultura Popular, será o bate-papo, às 17h, com as escritoras  Leila Míccolis e Clara de Góes, que conversarão sobre “poesia marginal” na mesa com Plínio Sanderson, Aluízio Mathias, João Batista Morais Neto (João da Rua) e Eduardo Alexandre. As duas convidadas são muito respeitadas no meio intelectual, e Clara é norte-rio-grandense, embora seja radicada no Rio de Janeiro.

E MAIS – Lançamento do livro “15 Poetas do RN”, com os vencedores e as menções honrosas do Concurso Luís Carlos Guimarães 2013, recital poético com Civone Medeiros, shows musicais com Os Chicos (projeto paralelo dos cantores Rafael Barros e Tiago Landeira, da Camerata de Vozes, interpretando sucesso de Chico Buarque) e Artur Soares, que faturou três estatuetas do Prêmio Hangar 2013.   




quinta-feira, 13 de março de 2014

Revista Grande Ponto será lançada no Dia da Poesia, sexta-feira, 14, na Pinacoteca do Estado


 A terceira edição da Revista Grande Ponto será lançada nesta sexta-feira, 14, às 18h, durante as comemorações do Dia Nacional da Poesia, na Pinacoteca do Estado, no Centro Histórico de Natal. A publicação que vem contanto um pouco da História de Natal enfoca vários assuntos importantes da cidade.

Durante décadas escutamos e vimos publicações que o único interesse do governo americano em se instalar em Natal durante a 2ª Grande Guerra Mundial teria sido por causa da localização geográfica da cidade com relação ao continente africano. Não era bem assim. Mércia Carvalho pesquisou e descobriu que os americanos tinham outras opções e Natal foi escolhida porque, somado a essa condição, tinha também salubridade. Ou seja, era uma cidade totalmente saneada desde 1939 e servia de modelo para todo o País. A última guerra de trincheira também contabilizava muitas mortes por doenças...

O Aero Clube, segundo matéria do Jornal A República voltava-se para  “a sociedade de alta distinção e elegância”. Gabriela Siqueira conta um pouco da História desse clube criado em 1928, até hoje em funcionamento no bairro do Tirol, apesar de estar completamente desfigurado com relação a sua arquitetura original.

Rosário
Conheça uma pouco da Igreja do Rosário, da Irmandade dos Negros, pela visão histórica e atual de Luís da Câmara Cascudo, que a descreve no seu livro A História da Cidade do Natal “como pequenina, pobre, com sua torrezinha quadrada, sua imposta no frontão, ao gosto melancólico dos velhos oratórios, e que passa sem registro nas crônicas de outrora...”

Serviço
Revista Grande Ponto
Praça Sete de Setembro, SN, Pinacoteca do Estado
Dia Nacional da Poesia, 14 de março de 2014, ás 18h
Distribuição Gratuita
Patrocínio: Cosern





domingo, 9 de março de 2014

Mamãe, 80 anos...

Mamãe e sua "trupe": Regina, Lúcia, Mércia, Katherine e Joaquim

Ela se chama Ody - só não sei onde vovô Hermeto e vovó Beatriz arranjaram esse nome – mas, para quem a conhece de perto também atende pelo apelido carinhoso de Miminha. 

Era a “Gatinha Manhosa” de vovô, que sempre a protegia por ela ser uma menina magrinha que de tão magrinha era chamada de “gata seca” pelos irmãos. 

E, finalmente, para papai ela era a sua “pretinha”...

Num São João de 1954 “fugiu” com papai e constituíram uma família. 

E que família! 

Foram cinco filhos: Katherine, a quem chamamos de Kaita ou Katraca; Eu, Mércia, a Nanica, pela minha grande estatura; Regina, a famosa Maga Patalógica com seus cabelos escorridos e os olhos de milagre; Joaquim, seu único filho homem, conhecido por todos como Quinca e para nós irmãos como Canga de Burro e, finalmente, a caçula Lúcia, que se autonominava de Lucitalma, cujo apelido Gavião Malvado lhe caia como uma luva, pela doçura de criança que era. 

Mas, também vieram os afilhados, nossos irmãos mais velhos por parte de pai: Henrique, Neto e Virginia, que mamãe acolheu como filhos e a quem todos eles chamavam de madrinha. 

E, com essa trupe “dos seus e dos nossos”, como em um circo em constante espetáculo, fomos criados sob os seus cuidados, carinho e proteção, com nossas alegrias, risadas, brincadeiras, brigas, divergências, passeios, festas, sempre com muita dança e união. 

E como fomos felizes, mamãe!

Dei-lhe a primeira neta: Milena, e depois Lucinha e Eduardo, dei também o primeiro bisneto, Tomás, hoje com cinco anos. 

Regina lhe deu Beatriz e Rafael. 

Quinca lhe deu Pedrinho, Juliana e Maria Clara e;

Lúcia lhe deu Breno, Natália e Iure. 

Portanto, mamãe, está nas mãos dos seus onze netos tratarem de providenciar os outros bisnetos, que não sei quando, mas hão de vir. 

Hoje, no dia em que você completa 80 anos, estamos todos aqui reunidos, seus filhos, seus netos, bisneto, seus irmãos, nora, genros, parentes e amigos para celebrar a vida, pela sua vida, com sua alegria que também é nossa, pedindo a Deus que lhe dê a saúde necessária para continuar com suas andanças pela “Europa, França e Bahia”, como diria o poeta Carlos Drumonnd, em paz e com alegria. 

E quem sabe arranjar um “noivo” pra desespero de Quinca...

Para nós, os filhos, você é a mãe. 
Que em sendo mãe será sempre querida e respeitada. 
Mas também é gente e, enquanto gente tem suas fragilidades, seus medos, suas angústias, seus erros e acertos, defeitos e virtudes.

E, neste dia 9 de março, se vivo estivesse, papai, com certeza, iria acordá-la com um sorriso nos lábios dizendo: 
- Bom dia minha preta, feliz aniversário!

A você mamãe, em nome de todos os filhos, com todo o nosso amor, feliz aniversário!




sábado, 8 de março de 2014

8 DE MARÇO - DIA DA MULHER


"A maturidade me permitiu olhar com menos ilusões, aceitar com menos sofrimento, entender com mais tranquilidade e querer com mais doçura."

Lya Luft



sábado, 1 de fevereiro de 2014

Quando Fevereiro Chegar

 Quando fevereiro chegar
Saudade já não mata a gente
A chama continua no ar
O fogo vai deixar semente
A gente ri a gente chora
Ai ai ai a gente chora
Fazendo a noite parecer um dia
Depois faz acordar cantando
Pra fazer e acontecer
Verdades e mentiras
Faz crer, faz desacreditar de tudo
E depois depois amor ô ô ôô

Ninguém ninguém verá o que eu sonhei
Só você meu amor
Ninguém verá o sonho que eu sonhei
Um sorriso quando acordar
Pintado pelo sol nascente
Na luz de cada olhar mais diferente
Tua chama me ilumina
Me faz virar um astro incandescente
Teu amor faz cometer loucuras
Faz mais, depois faz acordar chorando
Pra fazer e acontecer
Verdades e mentiras
Faz crer, faz desacreditar de tudo
E depois depois do amor
Amor ô ô

Ninguém, Ninguém, Ninguém Verá o que eu sonhei
Só você meu amor
Ninguém verá o sonho que eu sonhei
Um sorriso quando acordar
Pintado pelo sol nascente
Eu vou te procurar
A luz de cada olhar mais diferente
Tua chama me Ilumina
Me faz virar um astro incandescente
Teu amor faz cometer loucura
Faz mais, depois faz acordar chorando
Pra fazer e acontecer
Verdades e mentiras
Faz crer, faz desacreditar de tudo
E depois depois do amor
Amor Amor

Geraldo Azevedo e Fausto Nilo




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...